Home»CARNAVAL»Tatuapé investe em ala exclusiva de mulheres na cuíca e quer deixar legado

Tatuapé investe em ala exclusiva de mulheres na cuíca e quer deixar legado

1
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Depois de quatro anos sem cuíca na bateria da Acadêmicos do Tatuapé, a escola volta neste ano com 24 mulheres tocando o instrumento de percussão. “Como não havia muito empenho da parte dos ritmistas e a cuíca não é obrigatória [no campeonato], achamos melhor tirar. Agora só temos mulheres, e elas são muito mais dedicadas”, elogia Higor Silva, mestre da bateria Qualidade Especial.

Aos 53 anos, Marilda Aparecida Alves Rocha é um dos exemplos dessa dedicação. A professora de artes toca o instrumento desde 2011. Já passou pela Colorado do Brás e pela Va-Vai, onde ficou até 2018, quando começou a dar aulas na escolinha de percussão da Tatuapé.

“A proposta, no início, se mostrou bem irreverente. Na maioria das escolas de samba que têm ala de cuíca são 20 homens e três mulheres. Na Vai-Vai, por exemplo, eram 25 homens e três mulheres. Na Colorado era só eu!”, conta Marilda, valorizando esse diferencial que a bicampeã do Carnaval de São Paulo vai levar para o Sambódromo.

Não só Marilda, mas as meninas da ala veem com lindos olhos a proposta da escola e mostraram isso no dia do ensaio técnico, no último domingo, pintando seus rostos com o símbolo do feminino. “Penso que a sociedade vê a mulher como lutadora, guerreira, comprometida, responsável e disciplinada. Nada mais justo do que ter essa ala exclusivamente só de mulheres, centrando a força, o empoderamento e a resistência. Era para fazermos toda a diferença. E estamos fazendo”, acredita Marilda.

Com o projeto cuíca, as responsabilidades foram divididas e compartilhadas. Na escola de samba, quem dirige a ala das cuícas é Aline. Já no bloco filiado à Tatuapé, o Mocidade Amazonense, é Marilda quem está à frente. “Vamos sair no dia 4 de março. Estamos muito comprometidas, afinadas e fazendo um trabalho muito bacana.”

Algumas cuiqueiras tocam na agremiação e também no Amazonense. É o caso de Daniele Martins, 25 anos, que entrou na escolinha de percussão para fazer aulas de tamborim e mudou de ideia.

O mestre Higor convidou todas as mulheres para participar do projeto e acabei tendo mais facilidade com a cuíca”, conta a estudante, que está há apenas dez meses na escola de samba. “Vai ser a minha estreia em tudo. Carnaval, samba, cuíca… Nos ensaios na quadra eu fico mais nervosa, porque eles falam alto, botam pilha. Aqui [no Anhembi, no ensaio técnico], estou mais tranquila”, diz a jovem. “É muito gratificante ver que nosso esforço está valendo a pena.”.

Fonte Uol.  Matéria completa em : https://bit.ly/2UX8w3B

Post Anterior

Complexo Tatuapé celebra ano novo chinês dia 18/02

Próximo Post

A Sephora está chegando no Shopping Metrô Tatuapé

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *