Home CARNAVAL Tatuapé investe em ala exclusiva de mulheres na cuíca e quer deixar...

Tatuapé investe em ala exclusiva de mulheres na cuíca e quer deixar legado

Depois de quatro anos sem cuíca na bateria da Acadêmicos do Tatuapé, a escola volta neste ano com 24 mulheres tocando o instrumento de percussão. “Como não havia muito empenho da parte dos ritmistas e a cuíca não é obrigatória [no campeonato], achamos melhor tirar. Agora só temos mulheres, e elas são muito mais dedicadas”, elogia Higor Silva, mestre da bateria Qualidade Especial.

Aos 53 anos, Marilda Aparecida Alves Rocha é um dos exemplos dessa dedicação. A professora de artes toca o instrumento desde 2011. Já passou pela Colorado do Brás e pela Va-Vai, onde ficou até 2018, quando começou a dar aulas na escolinha de percussão da Tatuapé.

“A proposta, no início, se mostrou bem irreverente. Na maioria das escolas de samba que têm ala de cuíca são 20 homens e três mulheres. Na Vai-Vai, por exemplo, eram 25 homens e três mulheres. Na Colorado era só eu!”, conta Marilda, valorizando esse diferencial que a bicampeã do Carnaval de São Paulo vai levar para o Sambódromo.

Não só Marilda, mas as meninas da ala veem com lindos olhos a proposta da escola e mostraram isso no dia do ensaio técnico, no último domingo, pintando seus rostos com o símbolo do feminino. “Penso que a sociedade vê a mulher como lutadora, guerreira, comprometida, responsável e disciplinada. Nada mais justo do que ter essa ala exclusivamente só de mulheres, centrando a força, o empoderamento e a resistência. Era para fazermos toda a diferença. E estamos fazendo”, acredita Marilda.

Com o projeto cuíca, as responsabilidades foram divididas e compartilhadas. Na escola de samba, quem dirige a ala das cuícas é Aline. Já no bloco filiado à Tatuapé, o Mocidade Amazonense, é Marilda quem está à frente. “Vamos sair no dia 4 de março. Estamos muito comprometidas, afinadas e fazendo um trabalho muito bacana.”

Algumas cuiqueiras tocam na agremiação e também no Amazonense. É o caso de Daniele Martins, 25 anos, que entrou na escolinha de percussão para fazer aulas de tamborim e mudou de ideia.

O mestre Higor convidou todas as mulheres para participar do projeto e acabei tendo mais facilidade com a cuíca”, conta a estudante, que está há apenas dez meses na escola de samba. “Vai ser a minha estreia em tudo. Carnaval, samba, cuíca… Nos ensaios na quadra eu fico mais nervosa, porque eles falam alto, botam pilha. Aqui [no Anhembi, no ensaio técnico], estou mais tranquila”, diz a jovem. “É muito gratificante ver que nosso esforço está valendo a pena.”.

Fonte Uol.  Matéria completa em : https://bit.ly/2UX8w3B

Últimas Notícias

Caminhada Fotográfica pelo Tatuapé

São 102 anos de história do bairro que já foi constituído de ferrovias, já abrigou fábricas de tecelagem, já foi local de...

Complexo Tatuapé recebe show cover de Mamonas Assassinas

O Festival de Bandas Cover, realizado pelo Complexo Tatuapé, formado pelos shoppings Metrô Tatuapé e Metrô Boulevard Tatuapé, se estende aos fins...

Complexo Tatuapé recebe Museu do Videogame em evento gratuito que resgata 50 anos de história dos jogos

Que o mundo dos games tem uma multidão de fãs, não é novidade. Com o passar dos anos, jogos e brinquedos eletrônicos...

Chegou no Tatuapé a Torta queridinha de todos! A Nanica!

A Nanica foi fundada em 2018 pelos empreendedores paranaenses Leonardo Macedo e Tito Barcellos. Eles se conheceram na faculdade de gastronomia em...

Marca é Investimento, e não Custo.

A marca está entre os mais importantes patrimônios de uma empresa. Quando bem cuidada, pode gerar lucros constantes por...
×

Powered by WhatsApp Chat

× WhatsApp